Notícias

ATENÇÃO ESTA PÁGINA CONTÉM INFORMAÇÕES OBTIDAS EM SITES MÉDICOS, DE NOTÍCIAS, DE ENTIDADES DE PESQUISA E LITERATURA MÉDICA ESPECIALIZADA. MUITAS DAS INFORMAÇÕES SE DESTINAM A PROFISSIONAIS DA ÁREA DE SAÚDE OU PESQUISA POR SEREM MUITO ESPECIALIZADAS. AS PESQUISAS AQUI RELATADAS SÃO NA SUA MAIORIA DE PONTA, NÃO PODENDO SER TRANSPOSTAS RAPIDAMENTE PARA O USO CLÍNICO. EM GERAL HÁ UMA DEMORA QUE PODE SER SUPERIOR A 5 ANOS ENTRE UM TRABALHO EXPERIMENTAL PROMISSOR E SEU USO CLÍNICO.

A Secretária Estadual de Saúde necessita do cadastro dos portadores de distrofia muscular do Estado de São Paulo.... não esqueça de se cadastrar abdim@sili.com.br

 

As notícias estão colocadas em ordem de data. Se você quiser procurar as últimas notícias por assunto clique aqui.

Inglaterra - a identificação dos genes envolvidos nas diferentes formas de distrofia tem ocorrido nos últimos 15 anos; nos últimos 18 meses muitas avanços tem ocorrido no sentido de identificar como as alterações musculares ocorrem. Defeitos da  glicosilação (cobertura com açucar) de proteínas de membrana celular podem acarretar algumas das alterações observadas  em várias formas de distrofia muscular (como a distrofia tipo cinturas). A correção deste defeito da glicosilação pode se constituir em uma nova forma de tratamento.

Defective glycosylation in muscular dystrophy 

Francesco Muntoni  (e-mail:f.muntoni@ic.ac.uk), Martin Brockington, Derek J Blake, Silvia Torelli, Susan C Brown Lancet 2002; 360: 1419-21 

Context Over the past 15 years the causative genes of several inherited muscular dystrophies have been identified. These genes encode sarcolemmal, extracellular matrix, sarcomeric, and nuclear envelope proteins. Although the post-translational processing of muscle proteins has a significant role in their correct assembly and function, these processes have not been shown to be primarily involved in the pathogenesis of muscular dystrophies until recently. In the past 18 months, four different forms of inherited muscular dystrophy in human beings have been associated with mutations in genes encoding for putative glycosyltransferases. Aberrant glycosylation of alpha-dystroglycan, an external membrane protein expressed in muscle, brain, and other tissues, is a common feature in these disorders. alpha-dystroglycan is highly glycosylated, its sugar components varying in different tissues and controlling its interaction with extracellular matrix partners. Disrupted glycosylation of alpha-dystroglycan results in a loss of these interactions, giving rise to both progressive muscle degeneration and abnormal neuronal migration in the brain. 

Starting point Kevin Campbell and colleagues have recently demonstrated that patients with muscle-eye-brain disease (MEB) and Fukuyama congenital muscular dystrophy (FCMD), as well as the myodystrophy (myd) mouse, have an abnormally glycosyated form of alpha-dystroglycan (Nature 2002; 418: 417-22 and 422-25). The abnormally glycosylated protein did not bind to three of its extracellular matrix ligands, laminin alpha2 chain, agrin, and neurexin. The investigators also showed that a neuronal migration disorder occurs in both the myd mouse and in a brain-restricted alpha-dystroglycan knock-out mouse that is similar to that seen in patients with MEB and FCMD. These results identify alpha-dystroglycan as having an essential role in both muscle and brain development and function.

Where next Emphasis is moving away from identifying the protein components of the muscle fibre that are involved in muscular dystrophies towards the post-translational processing of proteins and the enzymes involved in these modifications. This opens up new avenues of research. Abnormal glycosylation of alpha-dystroglycan may underlie other as yet uncharacterised forms of muscular dystrophy and neuronal migration disorders.

Suiça e Inglaterra: a bactería E.coli é uma fábrica produtora de proteínas para o homem (como a insulina, hormônio de crescimento, etc). No entanto ela não tem a capacidade de glicosilar proteínas. Como explicamos no artigo acima o defeito glicosilação de proteínas pode desencadear algumas formas de distrofia muscular e outras doenças clínicas (como a artrite reumatóide). Neste estudo os pesquisadores transferiram  o sistema responsável pela glicosilação de proteínas da bactéria Campilobacter jejuni para a E.coli. Com isto a E.coli passará a produzir as proteínas glicosiladas e poderá servir para estudar como funcionam estas proteínas e como corrigir o defeito nas células humanas.

França - o Instituto de Miologia da França em conjunto com a empresa Transgene está realizando a primeira pesquisa em terapia gênica em pacientes com Distrofia Muscular de Duchenne/Becker (notícia divulgada no site em 11/06/2002). O resultado que estava programado para este final do ano deverá demorar mais tempo. Através do e-mail recebido do Instituto fui informado que o último paciente esta sendo incluído no estudo e os resultados serão divulgados no começo de 2003. A integra do e-mail é o que segue:

"Dear Dr. Feder,

Thank you very much for your mail and for your interest in neuromuscular
disorders. To answer your question, the trial on Duchenne muscular
dystrophy is not yet completely finished, currently the last patient is
enrolled. This means that the results of the trial will probably be known
by early next year.

I hope this is helpful,
Yours sincerely,

Jacques Salama
Secretaire General"

O resumo desta pesquisa em inglês segue abaixo: Current protocol of a research phase I clinical trial of full-length dystrophin plasmid DNA in Duchenne/Becker muscular dystrophies Part II: clinical protocol

Norma Beatriz Romeroa,*, Olivier Benvenisteb, Christine Payana, Serge Braunc, Patrick Squibanc,Serge Hersonb, Michel Fardeaua

A phase I clinical study on gene therapy in Duchenne and Becker muscular dystrophy, open, without direct individual benefit for thepatient, is being performed at the Pitie´-Salpeˆtrie`re Hospital, Paris. The aims of this project are: (a) to determine the tolerance and the safety of the intramuscular administration of dystrophin cDNA and (b) to study the quality of the gene transfer in vivo in human patients affected byDuchenne and Becker muscular dystrophy. This clinical trial is conducted sequentially and includes three cohorts of three patients each. Patients must be at least 15 years of age. Diagnosis of Duchenne and Becker muscular dystrophy was confirmed by molecular analysis of the dystrophin gene and for each patient the abnormal expression of dystrophin was confirmed, in skeletal muscle, with antibodies directed against the deleted part of the dystrophin. This phase I study is scheduled to be completed by the end of 2002. 

USA - coincidentemente mais um artigo sobre a miostatina será publicado hoje. Neste estudo os cientistas utilizaram um anticorpo monoclonal para impedir a ação da miostatina e conseguiram reduzir a severidade das alterações musculares na distrofia muscular experimental. Este estudo apresenta resultados semelhantes aos do artigo anterior (24/11/02) com a vantagem de não necessitar de terapia gênica (o anticorpo é injetado e impede a ação da miostatina); não se determinou as consequências a longo prazo do bloqueio da miostatina. 

O resumo do artigo publicado na Nature segue abaixo:

Functional improvement of dystrophic muscle by myostatin blockade

Nature 420, 418 - 421 (2002); doi:10.1038/nature01154

SASHA BOGDANOVICH*†, THOMAS O. B. KRAG*†, ELISABETH R. BARTON*, LINDA D. MORRIS*, LISA-ANNE WHITTEMORE‡, REXFORD S. AHIMA§ & TEJVIR S. KHURANA*

* Department of Physiology and Pennsylvania Muscle Institute, University of Pennsylvania School of Medicine, 3700 Hamilton Walk, Richards A-601, Philadelphia, Pennsylvania 19104-6085, USA
‡ Musculoskeletal Sciences Department, Wyeth Research, Cambridge, Massachusetts 02140, USA
§ Division of Endocrinology, University of Pennsylvania School of Medicine, Philadelphia, Pennsylvania 19104, USA
† These authors contributed equally to this work

Correspondence and requests for materials should be addressed to T.S.K. (e-mail: tsk@mail.med.upenn.edu).

Mice and cattle with mutations in the myostatin (GDF8) gene show a marked increase in body weight and muscle mass, indicating that this new member of the TGF-beta superfamily is a negative regulator of skeletal muscle growth. Inhibition of the myostatin gene product is predicted to increase muscle mass and improve the disease phenotype in a variety of primary and secondary myopathies. We tested the ability of inhibition of myostatin in vivo to ameliorate the dystrophic phenotype in the mdx mouse model of Duchenne muscular dystrophy (DMD). Blockade of endogenous myostatin by using intraperitoneal injections of blocking antibodies for three months resulted in an increase in body weight, muscle mass, muscle size and absolute muscle strength in mdx mouse muscle along with a significant decrease in muscle degeneration and concentrations of serum creatine kinase. The functional improvement of dystrophic muscle by myostatin blockade provides a novel, pharmacological strategy for treatment of diseases associated with muscle wasting such as DMD, and circumvents the major problems associated with conventional gene therapy in these disorders.

Comentários da revista sobre o artigo: Myostatin is a negative regulator of muscle mass — a mutant myostatin is responsible for the exaggerated musculature in Belgian blue cattle. Blockade of myostatin activity in the mdx mouse model for Duchenne muscular dystrophy with a monoclonal antibody is now shown to improve muscle function and cause a significant increase in muscle size. Myostatin blockade would be an attractive strategy for treating muscle degeneration diseases, as it would avoid some of the problems associated with conventional gene therapy

 

USA - será publicado em dezembro o artigo já divulgado no site em 12/07/2002 sobre a criação de um camundongo que não produzia a miostatina; a ausência desta proteína causa redução das degeneração muscular na distrofia muscular experimental; a pesquisa de drogas que possam inibir a miostatina pode ser o caminho para um tratamento medicamentoso da distrofia muscular. A repercussão deste artigo está aqui e aqui. O boletim da Johns Hopkins está aqui.

Inglaterra - grupo de especialistas reunidos na cidade de Newcastle sob patrocínio da "Muscular Dystrophy Campaign" publicaram (na Revista Neuromuscular Disorders) um documento contento um consenso sobre as  recomendações para a realização de exercícios e utilização de órteses em portadores de doenças neuromusculares. As informações são baseadas nos conhecimentos atuais e estudos devem ser feitos para comprovar o benefício de todos os procedimentos. Com relação as crianças que andam é recomendado o alongamento dos músculos da perna , dos frexores do quadril e iliotibial. Exercícios voluntários ativos como natação, hidroterapia e ciclismo são recomendados. Observação para promoção de uma adequada e simétrica postura, para os exercícios e atividades. Atividades como correr em declive ou subir muitas escadas excessivamente devem ser evitadas. Com relação as crianças que não deambulam exercícios são recomendados para manter a postura, simetria e conforto. Com relação as órteses as recomendações do grupo são: órteses do tornozelo-pé noturnas são recomendadas para manter o comprimento dos músculos da perna; não há consenso quando iniciar o uso mas ela é recomendada quando há perda da dorsiflexão. Andar na ponta dos pés é uma adaptação que permite manter o caminhar nos pacientes com Distrofia e o uso de próteses não deve prejudicar esta adaptação. Quando ocorre a perda da marcha a órtese tornozelo-pé pode ser usada durante o dia para prevenir contraturas e deformidades do pé; ela também é recomendada durante o dia após a cirurgia do tendão aquileo. A órtese joelho-tornozelo-pé pode prolongar a deambulação em aproximadamente dois anos na Distrofia Muscular de Duchenne; ela podem prevenir as contraturas nos membros inferiores e se a deambulação se prolonga além dos 13 anos retarda o aparecimento da escoliose. Pacientes adultos com distrofia muscular (sejam Becker, Duchenne ou as formas de distrofia do tipo adulto) devem prosseguir com as atividades físicas orientadas para cada tipo de distrofia. Na distrofia fascio-escápulo-umeral a fadiga por esforço excessivo pode ser observada mas não há contra-indicação para a realização de esforços físicos. Exercícios ativos com baixa resistência também podem ser prescritos.

IMPORTANTE: estas recomendações são para especialistas. Consulte sempre seu fisioterapeuta e seu médico para receber as orientações adequadas. É importante você saber que os exercícios físicos são parte importante do tratamento da Distrofia Muscular. 

Uma parte do resumo original segue abaixo:

Summary: It must be emphasised that these recommendations are based on current expert opinion only and that research is needed to improve the evidence base in all the areas suggested.

A. Ambulant children

1. Daily stretches to the gastrocnemius–soleus complex, hip flexors and iliotibial band.

2. Encourage voluntary active exercise such as swimming or hydrotherapy and cycling (may be motor assisted).

3. Symmetry to be promoted in posture, exercises and activities.

4. Eccentric activities such as running downhill and excessive walking downstairs to be avoided.

B. Non-ambulant children

1. Mobilising passive or active assisted exercises to maintain and promote symmetry and comfort. These may be land based programmes or in water if preferred.

Wheelchair/seating prescription, respiratory and spinal management have not been discussed in this workshop but they are clearly important issues that need consideration in the holistic management of the young person.

C.Ortosis

1. Night-time AFOs in addition to stretching daily are recommended for ambulant children with DMD to maintain the length of the gastrocnemius–soleus complex. There is no evidence on when to supply night splints but it is recommended that this be when there is loss of dorsiflexion.

2. AFOs are not recommended for ambulant children with DMD as this compromises their ability to walk by preventing characteristic equinus gait. In ambulant children with other neuromuscular disorders careful assessment is essential to ensure that walking is not compromised.

3. Clinical experience suggests that daytime AFOs should be supplied once ambulation is lost to prevent painful contractures and foot deformity. If tenotomies are performed in the non-ambulant child AFOs should be worn during the day.

4. KAFOs can be used to prolong ambulation for approximately 2 years in DMD. They can also help delay the onset of lower limb contractures and weaker evidence suggests that prolonging ambulation beyond 13 years may delay the onset of scoliosis. They should be supplied at the time of loss of ambulation by an orthotist with experience in neuromuscular disorders.

5. The benefit of a standing posture in the non-ambulant child to control contractures is logical but not evidenced. Standing frames or swivel walkers may be used in children with neuromuscular disorders.

D. Adults with muscular dystrophy

1. An accurate diagnosis should be made so that the possible complications and manifestations of the disease can be considered in devising a physical treatment plan and assessment programme.

2. The possibility of overuse fatigue, pain or weakness should be considered especially in FSH muscular dystrophy but there is no reliable evidence to suggest that exercise is contraindicated.

3. Active low resistance exercise may be prescribed to improve strength and endurance in relatively well maintained muscles (stronger than grade 3 MRC scale).

4. Where possible active exercise on a regular basis to promote general physical health to be encouraged.

5. Patients with myotonic dystrophy may be given an active resisted exercise regime but may need additional support and motivation.

6. Avoid inspiratory breath holding techniques in myotonic dystrophy.

7. AFOs may be used in ambulant patients with foot drop but not effective if plantar grade cannot be achieved

Inglaterra - na opinião destes pesquisadores os corticóides são a unica forma de tratamento paliativo com medicações na distrofia muscular de Duchenne. Muitos médicos não o utilizam por receio dos efeitos colaterais. Não se comprovou claramente como atua o corticóide na doença e por isto eles iniciaram uma pesquisa para identificar os possíveis mecanismos envolvidos como a melhora ( estudos genéticos) e tentar evidenciar alguma outra forma de tratamento que tenha o mesmo resultado e com menos efeitos colaterais. O artigo publicado na Revista Neuromuscular Disorders tem o seguinte resumo original:

Steroids in Duchenne muscular dystrophy: from clinical trials to genomic research

Francesco Muntonia,*, Ivan Fishera,b,c, Jennifer E. Morganb, David Abrahamc

Abstract

Steroids represent the only pharmacological palliative treatment for Duchenne muscular dystrophy. However, they do have side effects and despite a large number of published studies showing their efficacy, they are still not universally used. This is largely due to the lack of functional outcome and quality of life measures in most of the published studies and suggests that further trials might be required to answer some of the still unclear aspects of their role. Another important aspect of steroid therapy in Duchenne dystrophy is that we do not know how they work in dystrophic muscle. We have initiated a collaborative study on gene profiling using microarray in steroid-treated mdx mice. cDNA microarray studies were performed to examine the levels of skeletal muscle gene expression in a pool of mdx mice treated with prednisolone for 1 and 6 weeks. Interesting preliminary data on untreated mdx mice suggest that the gene profiling of young (7 weeks) versus older (12 weeks) mice is very significantly different. Furthermore, a large number of genes showed significant changes in expression at the mRNA level on treatment with prednisolone. These included structural protein genes; signalling genes and genes involved in immune response. Hopefully, analysis of this pattern of steroid-induced gene expression will provide some insight into understanding how glucocorticoids improve strength in Duchenne dystrophy, and may help in developing more effective and less toxic therapeutic approaches.

 

USA -  Pesquisadores apresentaram no Congresso Americano de Cardiologia estudo na qual células musculares foram utilizadas para corrigir lesão cardíaca consequente ao infarto. Este estudo foi realizado em vários centros de cardiologia dos Estados Unidos.  As células musculares foram retiradas e cultivadas em laboratório por 3 a 4 semanas e injetadas diretamente no coração (1 a 30 injeções com 10 milhôes de células cada). Os exames realizados demonstraram que as células sobreviveram e conseguiram regenerar o músculo cárdiaco. Uma técnica muito parecida esta sendo estudada no Canadá retirando células musculares de pais de portadores de Distrofia, cultivando em laboratório e inoculando nos pacientes.

Canadá -  pesquisa apresentada por um grupo canadense no Congresso Americano de Cardiologia demonstrou que a terapia gênica é eficiente em pacientes com infarto do miocárdio. Utilizando a injeção do gene do hormônio de crescimento diretamente no músculo cárdiaco de pacientes que foram comparados aos que recebiam a medicação convencional. Após 3 meses não havia diferença entre os grupos mas após 6 meses os que receberam terapia gênica apresentavam condição cardíaca muito melhor.

Austrália - uma das formas de terapia gênica que estão sendo estudadas na distrofia muscular é a utilização de oligonucleotídeos; ao invés de substituir o gene defeituoso se utiliza uma sequência pequena de nucleotídeos com a finalidade de fazer a célula vencer o defeito genético e passar a produzir uma forma de distrofina com um pequeno defeito mas funcionante. Esta forma de tratamento está sendo testada em vários centros no Japão, Cingapura e na Austrália; há vários relatos anteriores desta técnica no itém antisense (http://www.distrofiamuscular.net\notisense.htm) Nesta pesquisa em células de camundongo com distrofia os cientistas produziram várias  sequências de oligonucleotídeos que demonstraram sucesso e com menor tamanho e com resultados  mais efetivos com as células passando a sintetizar a proteína distrofina.

Austrália -  em um trabalho anterior este grupo de pesquisadores australianos tinha demonstrado que o uso da fator inibidor da leucemia melhoravas as alterações musculares da distrofia muscular. Nesta continuação da pesquisa que será publicada em breve na revista Neuromuscular Disorders eles observaram que este fator aumenta a proliferação dos mioblastos mas não reduziu as  alterações produzidas no músculo com distrofia muscular não demonstrando nenhum benefício significativo.

An evaluation of leukaemia inhibitory factor as a potential therapeutic agent in the treatment of muscle disease

The exogenous delivery of growth factors and cytokines is a potential therapeutic strategy to alleviate the degenerative effects of  primary inherited myopathies such as Duchenne muscular dystrophy. The mdx mouse diaphragm is a model for examining the progressive degeneration of dystrophic muscle. We have delivered leukaemia inhibitory factor to the mdx diaphragm using slow release alginate gels. Previous studies have reported an improvement in the histology of mdx diaphragms after delivery of leukaemia inhibitory factor in a similar manner, but little attention has been paid to the mechanism by which leukaemia inhibitory factor acts. We have used autoradiography to examine cell proliferation, Evans Blue Dye to examine myofibre damage, and morphometric analysis to examine histology in leukaemia-inhibitory-factor-treated diaphragms and compared them with untreated mdx and normal C57Bl10/ScSn diaphragms. Autoradiography showed that although myoblast proliferation was significantly increased in leukaemia inhibitory factor-treated mdx diaphragms, leukaemia inhibitory factor did not reduce myofibre damage and no histological improvement was observed. The data presented here, while demonstrating a role for leukaemia inhibitory factor in myoblast proliferation, do not support a strong and consistent benefit of leukaemia inhibitory factor on dystrophic muscle in vivo as a means of alleviating the effects of chronic dystrophic muscle degeneration.

Inglaterra -  os autores revisaram 197 pacientes com Distrofia Muscular de Duchenne atendidos no Centro Muscular de Newcastle no período de 1967 a 2002 procurando determinar quanto aumentou a sobrevida e o impacto da utilização da ventilação noturna domiciliar. Nenhum dos pacientes estudados fez uso de corticóides. Os resultados mostraram que a sobrevida se elevou dos 14,4 anos na década de 60 à 25,3 anos na década de 90 com a utilização de ventilação noturna. A cardiomiopatia contribui para reduzir a sobrevida de 19 anos para 16,9 anos. Os resultados demonstram que a ventilação noturna domiciliar aumenta a sobrevida em 53%. Este estudo será publicado em breve na revista Neuromuscular Disorders.

Survival in Duchenne muscular dystrophy: improvements in life expectancy since 1967 and the impact of home nocturnal ventilation

We reviewed the notes of 197 patients with Duchenne muscular dystrophy whose treatment was managed at the Newcastle muscle centre from 1967 to 2002, to determine whether survival has improved over the decades and whether the impact of nocturnal ventilation altered the pattern of survival. Patients were grouped according to the decade of death and whether or not they were ventilated. Kaplan Meier survival analyses showed significant decade on decade improvement in survival. Mean age of death in the 1960s was 14.4 years, whereas for those ventilated since 1990 it was 25.3 years. Cardiomyopathy significantly shortened life expectancy from 19 years to a mean age of 16.9 years. Better coordinated care probably improved the chances of survival to 25 years from 0% in the 1960s to 4% in the 1970s and 12% in the 1980s, but the impact of nocturnal ventilation has further improved this chance to 53% for those ventilated since 1990. 

USA -  Utilizando células tronco adultas  os cientistas da Universidade de Stanford conseguiram pela primeira vez demonstrar como, passo a passo, as células tronco se transformam em músculos. As células tronco, neste estudo publicado na revista Cell desta semana,  se transformaram em verdadeiros músculos prontas para corrigir músculos lesados. A pesquisa não utilizou camundongos com distrofia muscular mas a finalidade deste estudo é o entendimento de como tratar esta doença com células tronco. Inicialmente para realizar estes sofisticados experimentos os cientistas destruiram a medula óssea de camundongos com irradiação. Em seguida eles injetaram células tronco de um outro camundongo, modificado geneticamente para produzir uma proteína fluorescente, que poderia ser vista no microscópio. Após alguns meses eles detectaram células tronco específicas dos músculos, denominadas de células satélites, com coloração fluorescente em todo camundongo, demonstrando de fato que elas teriam se originado das células tronco transplantadas. Na parte mais interessante do trabalho eles dividiram os camundongos em dois grupos: um sedentário e outro que fazia constante atividade física (andar em rodas). Os camundongos que andaram cerca de 4 milhas por noite por seis meses brilhavam com mais intensidade que os outros, como se estivessem severamente lesados. Mas os pesquisadores observaram que as células tronco tinham se multiplicado e transformado em fibras musculares com capacidade de reparar a lesão muscular. Os camundongos sedentários também apresentaram células tronco músculo específicas fluorescentes mas os que tinham feito atividade física tinham 20 vezes mais fibras musculares. É provável, pelos resultados observados, que as células lesadas enviaram alguma forma de mensagem para atrair, multiplicar e diferenciar as células tronco. A descoberta desta forma de sinal pode ser muito útil no tratamento das doenças neuromusculares como as distrofias musculares. 

USA - 180 cientistas e médicos se reuniram no Arizona para discutir os recentes avanços em quatro doenças neuromusculares.

 Com relação a distrofia muscular de Duchenne os assuntos abordados foram:

as vantagens do tratamento com cortícoides para retardar a evolução da doença mas a necessidade de acompanhamento períódico para prevenção dos seus efeitos colaterais; foram discutidos esquemas de tratamento (diário, semanal, 10 dias com e 10 dias sem) e tipos de corticóides empregados (prednisona, deflazacort). 

- quando e por que realizar cirurgias ortopédicas 

- avanços na pesquisa da melhor forma de terapia gênica na distrofia muscular de Duchenne: que parte do gene é necessária, qual o melhor vírus para levar o gene, etc

- métodos para melhorar o diagnóstico da doença

Com relação a distrofia tipo cinturas foram abordados os seguintes assuntos:

- foram relatados os resultados de dois pacientes que receberam injeção do gene da sarcoglican no pé; uma apresentou pequena expressão da proteína enquanto o outro não. Estes resultados não foram conclusivos já que os pacientes com esta forma de distrofia podem apresentar a expressão do gene nos músculos do pé. Outros estudos serão realizados em breve.

- melhores formas de diagnosticar a doença podendo contribuir para esclarecer a evolução da doença de acordo com a alteração genética apresentada.

http://www.mdausa.org/news/021113phyreview.html

http://www.mdausa.org/news/021115sperep.html

Inglaterra - a utrofina é uma proteína celular que poderia substituir o papel da distrofina no tratamento da Distrofia Muscular de Duchenne. Previamente os pesquisadores já tinham identificado duas formas de utrofina, a B que se expressa nas células endoteliais dos vasos e a A que se expressa na junção neuromuscular, no plexo coróide, na pia máter e no glomérulo renal. Neste trabalho os cientistas analisaram a presença destas duas formas de utrofina em camundongos com distrofia muscular experimental. Os resultados permitiram demonstrar que a utrofina A mas não a B está aumentada no músculo deficiente em distrofina e o mecanismo deste aumento o que poderá contribuir para entender o papel da utrofina e pesquisar formas de aumentar a sua quantidade em músculos com ausência de distrofina.

Austrália  -  o clenbuterol tem sido estudo em várias formas de distrofia como droga estimuladora da contração muscular. Neste estudo comparativo em ratos usado fenoterol x clenbuterol (as duas drogas tem o mesmo mecanismo de ação) os pesquisadores mostraram que o fenoterol tem maior efeito na contração muscular do que o clenbuterol.

França - na distrofia miotônica há um risco maior de morte súbita relacionada com bloqueios e arritmias ventriculares, mas a indicação do marca passo não é feita como prevenção. O objetivo deste estudo foi analisar a incidência de arritmias, morte súbita e bloqueios em portadores de distrofia miotônica submetidos a colocação de marca passo, mesmo assintomáticos (era realizado um exame eletrofisiológico cardíaco que determinava  uma determinada alteração característica). Quarenta e nove pacientes (45,5 ± 8,9 anos de idade) com distrofia miotônica e intervalo HV>70ms foram seguidos por  53,5 ± 27,2 meses após a colocação do marca-passo. Arritmias paroxísticas foram encontradas em 41 pacientes (83,7%) consistindo em bloqueio atrio-ventricular total (21 pacientes), bloqueio sino-atrial (4 pacientes) ou taquiarritmia atrial (25 pacientes ) ou ventricular (13 pacientes). Nenhum paciente morreu de bloqueio atrio-ventricular total mas 10 faleceram, 4 subitamente. Em dois casos foi possível excluir arritmia cardíaca entre os que tiveram morte súbita. Os autores demonstram que a incidência de arritmias é comum na distrofia miotônica e a colocação de marca-passo preventivo em pacientes que apresentam alteração do estudo eletrofisiológico é apropriada. A colocação de marca passo previne a consequência de bradiarritmias paroxísticas e facilita o diagnóstico e tratamento das taquiarritmias frequentes.

USA -  O nosso organismo reage a qualquer substância ou agente estranho com a produção de anticorpos ou outros agentes de defesa. A utilização de vírus para levar o gene da distrofina aos músculos em vários modelos experimentais tem ocasionado reações imunológicas nos músculos o que acarreta a necessidade de utilização de drogas imunossupressoras como nos transplantes de órgãos. Este artigo recente aborda vários exemplos de terapia gênica em animais com distrofia muscular experimental e tenta estudar quais os mecanismos desta reação imunológica. Entender por que estas alterações ocorrem permitirá tentar evitá-la ou minimizá-la.

Holanda - o objetivo deste estudo foi determinar as alterações ao exame físico que pudessem prever que haveria a perda da marcha em 2 anos em pacientes com Distrofia Muscular de Duchenne. Para realizar este trabalho 44 pacientes com Distrofia Muscular de Duchenne foram acompanhados a cada 6 meses com avaliação física completa. Os resultados demonstraram que crianças com prejuízo da extensão do quadril e da resistência a dorsiflexão do tornozelo tem, respectivamente, 11,5 e 3,7 vezes mais chance de parar de andar em dois anos. Este estudo confirma que a perda da força, especialmente da extensão do quadril e da dorsiflexão do tornozelo são primariamente os fatores preditivos da perda da marcha em portadores de Distrofia Muscular de Duchenne. Estudos deverão ser feitos para poder intervir nestes duas deficiências para melhorar a marcha e manter a deambulação.

Predictive Factors of Cessation of Ambulation in Patients with Duchenne Muscular Dystrophy

Bakker JPJ, de Groot IJM, Beelen A, Lankhorst GJ: Predictive factors of cessation of ambulation in patients with Duchenne muscular dystrophy.

Am J Phys Med Rehabil 2002;81:906–912.

Objectives: To identify baseline patient and treatment characteristics that can predict wheelchair dependency within 2 yr.

Design: This prospective cohort study included 44 subjects who met study inclusion criteria. The same investigator examined them at 6-mo intervals. Ambulatory status, anthropometric data, muscle strength, range of motion of weight bearing joints, scoliosis, WeeFIM® instrument, Functional Status II revised, and use of standing and walking aids. Cox proportional hazards regression analysis and the stepwise technique were used to search for prognostic factors of wheelchair dependency within 2 yr.

Results: Children with impaired hip extension and ankle dorsiflexion strength are 11.5 (95% confidence interval, 3.2– 40.5) and 3.7 (95% confidence interval, 1.4 –9.7) times, respectively, more likely to stop ambulating within 2 yr.

Conclusions: This study confirms that strength loss, specifically in hip extension and ankle dorsiflexion, are the primary predictors of loss of ambulation in Duchenne muscular dystrophy. Further research is needed for medical interventions that can improve hip extension or ankle dorsiflexion and actually can improve ambulation.

 

IMPORTANTE - Com a reapresentação do filme "Óleo de Lorenzo" muitos questionamentos tem sido feitos por e-mail e telefonemas de pessoas querendo adquirir o referido óleo. O óleo de Lorenzo só é útil na adrenoleucodistrofia, uma doença que não é uma forma de distrofia. Não há indicação do uso óleo de Lorenzo em nenhuma forma de distrofia muscular. 

 

USA -  Os órgãos para transplante são escassos e podem causar rejeição; as células tronco são escassas e ainda há polêmicas para a sua utilização; os pesquisadores do Hospital Pediátrico da Filadélfia utilizando células tronco administradas no pré-natal e manipulação das células após o nascimento provocaram imunotolerância em camundongos permitindo que  eles doem células para muitas pessoas sem efeitos tóxicos. Este artigo foi publicado no número de agosto e setembro na revista Blood. Este achado pode aumentar as possibilidades de transplantes de órgãos e o uso em doenças genéticas como a leucemia, anemia falciforme, distrofia muscular e doenças hepáticas e renais. 

Japão -  neste artigo que estuda várias formas de vírus no tratamento da distrofia muscular experimental em camundongos demonstrou-se que há uma resposta inflamatória nos músculos que receberam o tratamento com o vírus. Neste trabalho os pesquisadores tentam entender os motivos desta reação para tentar impedí-la ou minimizá-la.

Inglaterra - neste estudo 378 pacientes com Distrofia Muscular de Duchenne (idade de 1 a 25 anos com média de 12 anos) foram estudados retrospectivamente para avaliar aqueles que já tinham tido fraturas. Setenta e oito (20,9%) já tinha tido fraturas. Quarenta e oito por cento em pacientes com idade de 8 a 11 anos e 48% em pacientes que andam independentemente. Queda é a causa mais frequente de fratura. Fraturas de membros superiores foi mais frequente em usuários de órteses de joelho-tornozelo-pé (65%) e fraturas de membros inferiores foi mais frequente em pessoas que andam independente (54%) ou em cadeira de rodas (68%). Muitos pacientes que andavam independentemente ou usavam órteses perderam a mobilidade definitivamente após a fratura (20% e 27% respectivamente). Em conclusão o cuidados para evitar as fraturas é muito importante na Distrofia Muscular de Duchenne.

Dinamarca - a distrofia muscular é caracterizada por degeneração muscular e insuficiente regeneração e reposição das fibras musculares. Muitos pesquisadores estão procurando novas formas de produzir regeneração dos músculos. Neste trabalho os pesquisadores  estudaram o efeito da ADAM12, uma metaloprotease da membrana celular, normalmente associada a regeneração do músculo esquelético. Os pesquisadores demonstraram que a superexpressão da ADAM12 em camundongos com distrofia muscular reduz as alterações musculares; nestes camundongos ocorreu redução da necrose e inflamação, níveis baixos da enzima CK e menor coloração da fibra muscular pelo azul de Evans. O trabalho demonstra que o ADAM12 contribui, direta ou indiretamente, para a regeneração muscular, estabilidade e sobrevida.

Brasil - a presidente da AADM Edna Maria Pupin assinou um convênio com a Petrobrás, estatal brasileira do Petróleo, que fornecerá verbas para o Centro de Terapia Gênica. Esta receita será utilizada para tentar viabilizar e apressar as pesquisas que serão realizadas. Se mais empresas pudessem contribuir mais pesquisas poderiam ser realizadas.

Canadá - uma das dificuldades enfrentadas para um bom resultado da terapia gênica é fazer com  que a maioria das células passem a expressar o gene que foi administrado. Estudos prévios tinham demonstrado que o uso de ultrassom contribuia para aumentar a permeabilidade à macromoéculas como o plasmídeo DNA, um vetor usado na terapia gênica. Na presente pesquisa os autores conseguiram aumentar a eficiência da terapia gênica em camundongos portadores de distrofia muscular utilizando o ultrassom; não ocorreu lesão muscular com o uso do ultrassom.

USA -  a causa primária da Distrofia Muscular de Duchenne é a mutação do gene da distrofina. A ausência desta proteína rompe a estrutura proteína da membrana muscular. Há ainda controvérsia entre os pesquisadores para entender como as alterações do músculo ocorrem. Para melhorar este entendimento este grupo liderado por Kunkel, identificador do gene da distrofina, estudou biópsias musculares de 12 pacientes com Duchenne e 12 controles para identificar todos os genes que pudessem estar alterados na doença. A análise de 105 genes diferentes encontrou que havia superexpressão de vários genes, que poderiam estar tentando compensar a ausência da distrofina, ou seja, tentado regenerar naturalmente as células musculares. Entendendo melhor como as alterações do músculo ocorrem será mais fácil identificar o melhor caminho para tratá-la.

USA - O grupo de Johnny Huard tem uma linha de pesquisa bastante avançada para estudar as células tronco no tratamento da distrofia muscular. Nesta pesquisa, através da identificação de um marcador nas células tronco (CD34) ele conseguiu separar as células com maior capacidade de produzir regeneração dos músculos. Esta informação será útil para escolher as células mais apropriadas para o tratamento da distrofia muscular.

USA - temos insistido que os tratamentos atuais podem contribuir para aumentar a sobrevida e a qualidade de vida na Distrofia Muscular de Duchenne; nesta matéria do último trimestre de 2002 da revista Quest há um relato de  5 histórias de portadores de Duchenne que não ficaram esperando as expectativas conhecidas sobre a doença que os livros descrevem e conseguiram a seu modo alguma forma de liberdade como fazer a faculdade e se formar, dirigir carro, etc. Nesta revista você encontrará informações sobre os cuidados para um uso saúdavel do computador e sobre as últimas pesquisas (já relatadas aqui).

USA - a óxido nítrico sintetase (nNOS), enzima que interage com as proteínas da membrana celular, esta significantemente reduzida nos pacientes com  Distrofia Muscular de Duchenne e na distrofia muscular experimental. Há fortes indícios que a deficiência da nNOS pode contribuir paras as alterações dos músculos nesta doença. Neste trabalho os pesquisadores procuraram identificar se há redução da nNOS em outras formas de distrofia. Os resultados mostraram que a nNOS está redudiza nos músculos com ausência de sarcoglicans (distrofia tipo cinturas). Os dados sugerem que a redução da nNOS pode contribuir para as alterações musculares da distrofia tipo cinturas.

Japão - a doença de Ullrich é uma forma de distrofia muscular congênita clinicamente caracterizada por fraqueza muscular, múltiplas contraturas nas articulações proximais e hiperextensão das articulações distais. Recentes estudos tem demonstrado a deficiência do colágeno VI nestes pacientes. A fibronectina é um componente da matrix extracelular. O comportamento da fibronectina nas células é mediado por receptores de fibronectina.  Neste estudo os pesquisadores estudaram células dos portadores de doença de Ullrich e observaram redução dos receptores de fibronectina nos fibroblastos e nas células de pele destes pacientes. Este resultado sugere que a redução dos receptores da fibronectina pode estar relacionada a deficiência do colágeno VI e as anormalidades na adesão celular pode estar relacionadas com as alterações observadas nesta doença.

NOTÍCIAS DO MÊS DE OUTUBRO DE 2002

NOTÍCIAS DO MÊS DE SETEMBRO DE 2002

NOTÍCIAS DO MÊS DE AGOSTO DE 2002

NOTÍCIAS DO MÊS DE JULHO DE 2002

NOTÍCIAS DO MÊS DE JUNHO DE 2002

NOTÍCIAS DO MÊS DE MAIO DE 2002

NOTÍCIAS DO MÊS DE ABRIL DE 2002

NOTÍCIAS DO MÊS DE MARÇO DE 2002

NOTÍCIAS DO MÊS DE FEVEREIRO DE 2002

NOTÍCIAS DO MÊS DE JANEIRO DE 2002

NOTÍCIAS DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2001

NOTÍCIAS DO MÊS DE NOVEMBRO DE 2001

NOTÍCIAS DO MÊS DE OUTUBRO DE 2001

NOTÍCIAS DO MÊS DE SETEMBRO DE 2001

NOTÍCIAS DO MÊS DE AGOSTO DE 2001

NOTÍCIAS DO MÊS DE FEVEREIRO AO MÊS DE JULHO DE 2001

 

 

                        Voltar à página principal